A Sociedade Da Capela

Hoje apresento mais um livro muito especial:

Sinopse:

O livro intitulado “A Sociedade da Capela” discute sobre as diferentes etnias, como os poloneses, os luso-brasileiros e os indígenas, que viviam e conviviam com os imigrantes majoritariamente “italianos” no povoado de Rodeio, entre 1883 e 1904. A própria “italianidade” destes sujeitos é colocada em xeque, uma vez que a grande maioria era oriunda do Tirol Meridional e, portanto, eram súditos do Império Austro-Húngaro. Este trabalho visa a análise detalhada das comunidades que se instalaram na paróquia de Rodeio e formaram uma “sociedade da capela”, onde o espaço do templo religioso servia como laço de interação entre as famílias, tanto por meio de celebrações e festividades dominicais, como por intermédio das escolas e da catequese. A pesquisa possui uma abordagem inovadora sobre o tempo da imigração no Vale do Itajaí e fundamenta-se na História Social para compreender os emigrados como trabalhadores do campo, com base na metodologia de pesquisa denominada Micro-História, ao fazer conexões entre a escala micro e macro, integrando a localidade de Rodeio com Santa Catarina e o Brasil, a partir da análise de diferentes fontes históricas, tais como crônicas eclesiásticas, livros comemorativos, periódicos, estatutos, entre outros documentos inéditos na historiografia. As trajetórias do anarquista Giovanni Rossi e do padre Lucínio Korte visaram problematizar a relação entre os imigrantes e o clero franciscano, muitas vezes conflituosa, percebendo um entrelaçamento tênue associado ao florescimento das cooperativas agrícolas e da educação na região. Nos diferentes eixos abordados percebemos um elemento comum pautado no fortalecimento da economia local do clero e dos fiéis para a escolha das capelas que deveriam ser construídas e nos conflitos voltados à manutenção dos ideais nacionais do “italianos”. As “sociedades da capela” tinham a cultura agrícola, a religiosidade e a educação como eixos principais, enquanto as diferentes estratégias elaboradas em reciprocidade demonstravam a capacidade de autonomia dos sujeitos, elevando o debate sobre as sociedades humanas para contornos e especificidades voltados às escolhas dos próprios agentes da História.

Como sabem, gosto muito de pesquisar sobre minhas origens e com a ajuda de pessoas queridas, a quem mais uma vez agradeço imensamente, descobri várias coisas sobre minha Árvore Genealógica e com o Teste de DNA Ancestral.

É sempre tempo de descobrir e ser grato aos antepassados, só estamos aqui porque eles jamais desistiram. Encontrar a obra do professor, historiador e escritor Gabriel Dalmolin foi um presente.

Minha ascendência paterna tem origem italiana e concentrou-se no município de Rodeio, Santa Catarina, quando chegou da Europa. Li vários livros contando as histórias desta época, mas pela primeira vez encontrei um olhar diferente.

Gabriel questiona as versões romanceadas que chegaram até nós, esmiúça os detalhes das múltiplas origens e da convivência da época. De forma magistral percorre caminhos “esquecidos” por alguns historiadores quando estes se concentraram em exaltar as positividades e esqueceram de citar o dia a dia, repleto de nuances positivas e negativas, como é nossa realidade.

Pude “estar lá” de forma vívida sem ter convivido com eles e naqueles tempos; pude ser ainda mais grata aos esforços e à perseverança que os fizeram sobreviver procurando melhorar suas situações e nos trouxeram até aqui em condições de viver melhor e mais confortavelmente mas, nesta leitura em especial, pude “estar lá” e perceber as dificuldades da convivência social, as manobras de quem tinha (ou pensava que tinha) o poder e a intensa mistura que somos desde sempre.

Foi um presente maravilhoso estar entre índios, poloneses, caboclos e austríacos misturados aos italianos; maravilhoso saber que no Império Austro-Húngaro eram 12 as línguas oficiais e todos chegaram aqui no “Novo Mundo” com suas diferenças, crenças e costumes, conseguiram se adaptar, prosperar e estamos aqui, para preservar esta rica história.

Há uma frase de Soren Kierkegaard. filósofo dinamarquês, considerado o precursor da Filosofia Existencial, que combatia a Filosofia Especulativa e discutia propósitos, causas e consequências das ações humanas no âmbito da realidade do indivíduo, nos dizendo:

“A vida só pode ser compreendida, olhando-se para trás; mas só pode ser vivida, olhando-se para frente.”

Livros como o de Gabriel Dalmolin nos levam a repensar e concluir que nunca foi fácil, nunca será fácil, mas é possível conviver com todas as diferenças culturais, emocionais, econômicas e existenciais da nossa complexa raça humana.

O autor:

Gabriel Dalmolin tem 22 anos. Nasceu em Timbó, embora sempre tenha residido em Rodeio. Concluiu o Ensino Médio na escola estadual Osvaldo Cruz e logo ingressou no Curso de História da FURB, ainda com 17 anos. Ao longo da sua graduação, diferente de muitos colegas que sempre estavam em dúvida na escolha do tema para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), sempre teve claro em sua mente que estudaria sobre seu lugar.

Como me disse em breve entrevista virtual, pensava ele:

– Se eu não fizer, quem o fará?

Foi assim, que entrou no Centro de Memória Oral e Pesquisa (CEMOPE), laboratório de pesquisa em História coordenado pela Prof.ª Dr.ª Cristina Ferreira. A professora Cristina e o laboratório foram muito importantes na sua formação e foi ali que começou a delimitar o tema, em um processo de três anos e meio.

Bastidores do Livro: Raramente um TCC é publicado como livro, mal e mal vira um artigo. Entretanto, ele faz questão de agradecer novamente a Profª. Cristina e ao colega Michel Honório da Silva, que conseguiram o feito de publicar a Monografia do Michel em 2019, sobre a emancipação de Pomerode. Isso lhe abriu as portas e em conversa com o Prefeito de Rodeio, o Diretor de Cultura e Turismo e até mesmo o Secretário de Educação daquele município, começou a ministrar palestras nas escolas e ceder informações para a Prefeitura, como contrapartida social pelo incentivo dado a publicação do livro. O lançamento oficial que estava agendado para 19 de março de 2020 teve de ser cancelado, por conta de toda a situação do Covid-19.

Novos Projetos: Por conta do projeto envolvendo o livro, Gabriel foi convidado pela Prefeitura para trabalhar em projetos envolvendo a Secretaria de Educação e a Diretoria de Cultura e Turismo, entre eles foi realizado um estudo sobre o Pacto de Amizade de Rodeio com Fornace (Itália), com a pretensão de lançar como livro futuramente; foi elaborado um livro didático sobre história do município voltado ao Ensino Fundamental I e II que aos poucos está sendo encaminhado aos professores para servir de material de consulta para planejamento das aulas e, entre outras ideias, há também a intenção de criar um documentário, entrevistando descendentes de famílias originárias desta cidade.

Trilogia: Quando da publicação do primeiro livro, algumas pessoas sugeriram uma sequência. Naquele momento não havia essa intenção. Entretanto, quando finalizada a pesquisa sobre o Pacto, Gabriel viu o potencial para transformá-lo em livro e começou a pensar em uma trilogia, que não é uma sequência cronológica, mas sim, uma série de trabalhos com o tema da imigração com uma abordagem da História Social (entendendo os imigrantes como trabalhadores e agentes de sua História ao invés de heróis) e da Micro-História (fazendo relações com o que acontecia em simultâneo no Brasil e no mundo). O terceiro livro da trilogia ainda está apenas no campo das ideias. Com a parceria da companheira, Aline Maria Girardi, também formada em História, há a intenção de fazer um estudo sobre os imigrantes que partiram de Rodeio, Ascurra e Rio dos Cedros para povoar Benedito Novo (mais precisamente o distrito de Santa Maria) e Doutor Pedrinho. Este último é um projeto ambicioso que pode demorar mais tempo para se concretizar.

Atualmente, Gabriel além de historiador e escritor, é também professor da rede municipal de Indaial, lecionando para o EJA.

Caso você tenha interesse em adquirir o livro, pode entrar em contato pelo Facebook e Instagram ao custo de R$ 25,00* já com as despesas de postagem inclusas.

Meu agradecimento ao jovem Gabriel, por seu empenho e pesquisa intensos, pela partilha de seu conhecimento conosco através de seu livro (e dos próximos) e pela entrevista virtual que pacientemente concedeu ao blog Jardim Valentina.

Muita luz no seu caminho, muita história para contar em suas linhas!

* Valor de R$ 25,00 em junho de 2020

*****

Se quiser doar qualquer valor para este blog, aponte a câmara do seu celular para imagem acima quando estiver dentro do seu aplicativo bancário ou diretamente pelo PIX tinaventuri@gmail.com.
Muito obrigada!

Qual sua opinião?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.