Abelhas – Doçura e Beleza por Natureza

abelhas

Segundo a Associação Brasileira de Estudos das Abelhas – ABELHA, o Brasil conta com aproximadamente 250 espécies de abelhas pertencentes à tribo Meliponini, chamadas popularmente de abelhas sem ferrão. Algumas destas espécies são criadas para a produção de mel, que tem sido cada vez mais valorizado para fins gastronômicos.

Além disso, elas cumprem um papel muito importante na polinização de plantas, cultivadas ou não, permitindo a produção de sementes de várias espécies, muitas das quais fundamentais para a alimentação humana. Sem a colaboração dessas abelhas, muitas plantas deixam de produzir frutos e sementes, podendo inclusive chegar à extinção.

Meliponini

Os Meliponíneos se dividem em dois grandes grupos. O primeiro é caracterizado pela presença de célula real, uma célula de cria maior em altura e diâmetro das demais células e onde uma rainha é criada. Esse grupo é o mais diverso em número de espécies e inclui os gêneros Trigona, Tetragonisca, Scaptotrigona, Nannotrigona, Oxytrigona, Cephalotrigona, Friesella, Frieseomelitta, Aparatrigona, Schwarziana, Paratrigona e muitos outros. Algumas delas são muito agressivas, como a Oxiotrigona tataíra (caga-fogo), que ao ser manejada libera uma substância ácida que queima a pele.

O segundo grupo é formado pelo gênero Melipona, caracterizado por não apresentarem célula real. Todas as células de cria possuem mesmo tamanho e contém similar volume de alimento larval. Assim, até 25% das crias femininas de um favo podem nascer como rainhas. Algumas espécies destas abelhas podem produzir aproximadamente 8 litros de mel.

Meliponicultura

As espécies mais conhecidas, como a jataí, mandaçaia, manduri, a mandaguari e a uruçu, constroem geralmente seus ninhos em cavidades existentes em troncos de árvores. Outras utilizam formigueiros e cupinzeiros abandonados ou constroem ninhos aéreos presos a galhos ou paredes.

Historicamente, muitas dessas abelhas sofreram uma exploração predatória por meleiros, com a retirada do mel sem o manejo correto e consequente destruição das colônias, o que contribuiu para a diminuição das populações em algumas regiões.

No decorrer do tempo, a exploração predatória cedeu espaço para a meliponicultura, que além de permitir a produção dos diversos tipos de mel, ainda contribui para a conservação das diferentes espécies. No Nordeste brasileiro, em especial nos estados do Maranhão, Rio Grande do Norte e Pernambuco, há diversos polos bem sucedidos de meliponicultura que exploram espécies locais como a tiúba, a jandaíra e a uruçu.

Clima tropical

As abelhas sem ferrão ocupam grande parte das regiões de clima tropical do planeta. Ocupam também algumas importantes regiões de clima subtropical, como porções do Sul do Brasil e Argentina e o Norte do México.

Desde o século XIX, houve diversas tentativas de aclimatação de abelhas indígenas sem ferrão em outras regiões do mundo. Em 1872, o naturalista francês Louis Jacques Brunet enviou colônias para a região de Bordeaux. Devido aos rigores do inverno europeu, as abelhas não sobreviveram por muito tempo.

Nos anos 50, algumas colônias foram enviadas para localidades norte-americanas no Arizona, Califórnia e Utah, entre outros. Algumas sobreviveram até oito anos.

Proteção da biodiversidade

O Brasil possui uma grande diversidade de abelhas sem ferrão, com imensa variedade de comprimento de língua e preferências florais. Graças a essas características, essas abelhas exercem um papel importante na preservação da biodiversidade ao realizar a polinização em ambientes naturais.

Em razão dessa relação direta, elas também correm risco com as agressões realizadas contra os ecossistemas. Na Caatinga, as abelhas sofrem com a devastação que destrói árvores usadas como ninhos, além da ação predatória de meleiros, que exploram as colmeias de uma maneira destrutiva e nada sustentável.

Para tentar reverter o quadro, alguns programas de compensação ambiental começaram a contemplar árvores específicas que servem para a nidificação de abelhas sem ferrão. Além disso, é necessário que a preservação dos polinizadores entre oficialmente na pauta dos negócios agrícolas e como peça-chave da agricultura sustentável.

Fonte: ABELHA

01e0f3efde7e41c0109940736760e495d15b993857

Esta é a pequena criação de abelhas sem ferrão, ou, meliponicultura na minha casa. Ao fundo, uma caixa está em cima da outra porque uma nova colmeia logo fará uso desta nova casa, a superior, que então será separada e colocada sobre outro tubo embebido em graxa para evitar que predadores naturais subam.

Seja qual for a espécie de abelha, é importantíssimo preservá-la. As abelhas são responsáveis por quase 80% da polinização das plantas do planeta. Polinização é a transferência de material genético da parte masculina para a parte feminina da flor. Elas são responsáveis pela reprodução e perpetuação de milhares de espécies vegetais, produzindo alimentos, conservando o meio ambiente e mantendo o equilíbrio dos ecossistemas.

Com ferrão ou sem ferrão, usufruindo do saboroso mel ou não, contribua protegendo as colmeias. Procure uma pessoa com conhecimento para remover algum enxame e tenha certeza que este será preservado.

Nesta postagem trago várias publicações para quem quiser conhecer mais sobre as abelhas, se tornar um protetor ou até um apicultor/meliponicultor.

‡ A Apicultura e A Meliponicultura – João Pedro Cappas e Souza

‡ A Mandaçaia – Davi Said Aidar

‡ Abelha Jandaíra – Padre-Huberto Bruening

‡ Abelha Uruçu – Warwick Estevam Kerr

‡ Abelhas Nativas Sem Ferrão

‡ Boas Práticas Para o Bem-Estar das Abelhas Nativas Sem Ferrão

‡ Criação Racional de Abelhas Jataí – Romildo de Godói

‡ Guia Ilustrado Das Abelhas Sem Ferrão

‡ Manual De Boas Práticas Para O Manejo E Conservação De Abelhas Nativas

‡ Manual TecnológicoManual Tecnológico – Abelhas Sem Ferrão

‡ Mel – Caixa Racional Para Abelhas Jataí

‡ Meliponicultura I – Caixa Racional de Criação de Abelhas

‡ Os Maias E A Meliponicultura – João Pedro Cappas e Souza

‡ Vida e Criação de Abelhas Indígenas Sem Ferrão – Paulo Nogueira Neto

abelha-colmeia-menor

*****

Se quiser doar qualquer valor para este blog, aponte a câmara do seu celular para imagem acima quando estiver dentro do seu aplicativo bancário ou diretamente pelo PIX tinaventuri@gmail.com. Muito obrigada!

Qual sua opinião?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.